top of page
  • Ághata Ramos, Agência Yaih

RESILIÊNCIA: A DETERMINAÇÃO DOS FEIRANTES DE SÃO LOURENÇO DO SUL

Atualizado: 19 de jul. de 2023

Mesmo com o tempo adverso, feirantes locais demonstram coragem e persistência em levar seus produtos à comunidade



São Lourenço do Sul, 13 de julho de 2023 — Enquanto a cidade de São Lourenço do Sul enfrentava um cenário de ventos fortes e chuvas, uma cena de coragem e determinação se destacou em meio ao caos. Mesmo diante do tempo desfavorável, alguns feirantes locais montaram suas barracas na praça central, desafiando as condições adversas para levar seus produtos à população.


A Yaih aproveitou a oportunidade para conversar com alguns feirantes que estavam disponíveis naquele momento, buscando entender um pouco mais sobre suas vidas e rotinas.


Soni, feirante há 33 anos

Soni, com 33 anos de experiência na feira, orgulhosamente apresentou seus produtos, todos oriundos de São Lourenço do Sul. Ele revelou que alguns itens são produzidos em seu próprio pomar, enquanto outros são fruto de parcerias com outros produtores locais. Soni, residente do Boqueirão, no interior da cidade, expressou que não consegue se ver parado e considera a amizade dos clientes e colegas feirantes como seu maior patrimônio.




Ilca, feirante há 9 anos

Ilca, natural de Quevedos, também no interior de São Lourenço do Sul, compartilhou sua história de dedicação à feira. Ela revelou que chega à cidade um dia antes do evento, e às quartas-feiras monta sua barraca por volta das 5h30. Já aos sábados, inicia seu trabalho ainda mais cedo, por volta das 4h30 ou 5h da manhã. Com aproximadamente oito anos de experiência, Ilca cultiva um compromisso inabalável com a feira e com a comunidade local.







Marcio, feirante há 10 anos (aproximadamente)

Marcio, originário da região de Fortaleza, também no interior de São Lourenço do Sul, compartilhou sua história de uma década como feirante. Ele revelou que sai de casa por volta das 4h da manhã para se preparar e levar seus produtos à feira. A maioria dos itens que oferece são de sua própria produção.







Assim como Ilca, Márcio e Soni, há muitos outros feirantes que enfrentam diariamente diversas adversidades para expor seus produtos na feira. Esses dedicados profissionais são apenas alguns exemplos da comunidade resiliente e determinada de São Lourenço do Sul. Mesmo diante das circunstâncias desafiadoras, eles encaram as condições adversas como obstáculos a serem superados em prol de seus clientes e da paixão pelos produtos que oferecem. A feira em São Lourenço do Sul transcende seu papel como um simples local de comércio, tornando-se um símbolo de união e persistência.




Yaih caro leitor, já visitou a feira?













bottom of page